Por que os produtos importados são tão caros?

Por:Leandro Marcondes
Colunas | Economia

13

Apr 2018

Porque a diferença de preços é enorme para alguns produtos quando compramos no Brasil ou no exterior? Essa é uma pergunta que muita gente se faz na hora de comprar algum produto importado, principalmente os eletrônicos. Mas você sabe por que isso acontece?

No Brasil, Infelizmente, cerca de 40% do valor de um determinado produto é equivalente a tributação imposta pelo governo. Em alguns casos, essa tributação faz com que determinada categoria de produtos fique 70% mais cara no Brasil do que no exterior.

Mas como essa porcentagem e definida e porque ela é tão elevada?

O que costuma acontecer, é que no Brasil, os produtos importados são inspecionados por entidades governamentais distintas e que cobram taxas separadas para que o produto entre no país, taxas como:

IPI – Imposto sobre Produtos Industrializado,

CIDE – Contribuições de Intervenção no Domínio Econômico

IOF – Imposto sobre Operações Financeiras

ICMS – Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços

PIS – Programa de Integração Social

COFINS – Contribuição para Financiamento da Seguridade Social

Dentre muitas outras, e isso faz o valor final do produto aumentar de uma forma inacreditável.

Já imaginou a quantidade de imposto que acaba incidindo sobre outros impostos já aplicados? Quer ver um exemplo rápido e que acontece na maioria dos casos? O ICMS compõe a base de cálculo do  PISCOFINS.

Mesmo todo mundo sendo contra, reclamando, nada é feito para que essa situação mude e o povo brasileiro é quem continua pagando a conta no final.

Podemos dizer, de uma forma genérica, que quanto mais supérfluo é o produto, maior será sua carga tributária.

Uma das categorias de produtos importados mais procurados hoje em dia são os eletronicos. Essa categoria de produtos tem uma taxa de impostos muito alta, inclusive para os produtos produzidos dentro do Brasil mesmo.

Veja só: os produtos eletrônicos fabricados no Brasil têm a seguinte taxa tributária: vídeo games (72,18%), gravador (52,2%), aparelho de DVD (50.39%), MP3 (49.45%) e televisor (44.94%).

Quando esses mesmos produtos são produzidos fora do país, além de precisar pagar todos os impostos nacionais que os produtos produzidos aqui pagam, ainda é preciso acrescentar o imposto de importação de produtos. Os produtos importados que possuem a maior carga tributária são: perfumes (78,43%), maquiagem (69,04%), tênis (58,59%) e bacalhau (43,78%).

Outros fatores que influenciam no preço dos produtos importados

Mas não é só a quantidade de imposto que incide em determinado produto que faz com que seu preço final seja mais alto no Brasil. Existem outros fatores que contribuem diretamente para isso.

Um deles é a variação da cotação do dólar e do euro. A variação cambial interfere diretamente no valor dos produtos, quanto mais alta ela fica, mais caro é o valor de um produto quando seu preço é convertido do dólar pro real.

A inflação também está entre os principais motivos que interferem no preço dos produtos importados no Brasil.

A oferta e procura também contribui para a alta dos preços. No geral, quanto mais alto o numero de produtos equivalentes disponíveis no mercado, menor será o custo. No caso dos produtos importados, a oferta é pequena e a procura é alta, o que faz com que os preços de venda fiquem mais altos, principalmente para marcas mais concorridas.

Tudo isso se junta ao fato do Brasil ter seu mercado fechado para produtos importados durante anos. Apenas no governo Collor é que o mercado voltou a se abrir e permitir a entrada de produtos produzidos no exterior.

OBSERVAÇÃO:

Em 2017 o STF concluiu o Recurso Extraordinário 574.706/PR que retira o ICMS da base do PIS e COFINS, contudo para a Receita Federal, o contribuinte somente poderá excluir este imposto da base de cálculo do PIS e COFINS após edição de Ato Declaratório do Procurador Geral da Fazenda Nacional. Ou seja, ainda é preciso entrar com um processo contra Receita para retirar esse imposto das bases de cálculo.


Comente com o Facebook

Compartilhe:

contato@ilmg.org.br