O que é ser liberal?

O que é ser um liberal?

Por:Yuri Dornelas
Colunas

15

May 2017

O que é ser liberal?

Ser liberal[i] é defender que todos devem ser tratados da mesma maneira perante a lei, é ser contra privilégios. É defender que você é dono das coisas que conquistou e pode fazer com elas o que bem entender. É ser a favor do pensamento de que ninguém pode mandar na sua vida além de você mesmo. É ser um defensor da liberdade.

Ser liberal é ser contra o corporativismo, contra a união de grandes empresas e o governo. É ser contra o desperdício do dinheiro público e de seu uso para salvar empresas, contra o gigantismo estatal, contra as altas taxas de impostos (ou até mesmo a existência desses tributos), contra os privilégios dos cargos públicos e a existência de empresas estatais. Ser liberal é ser favorável com a ideia de que cada um possa trabalhar pelo valor que estiver disposto, que cada um possa prosperar através do próprio esforço e resultado. É defender que qualquer pessoa possa ter seu próprio negócio sem ser importunado, do vendedor de picolé ao banqueiro.

Ser liberal é defender que os indivíduos podem cultuar o deus que quiserem. É defender que cada um pode se expressar da forma que bem entender – até mesmo se estiver se tratando de um discurso contrário a própria liberdade de expressão. É defender que as pessoas podem ter o comportamento sexual que desejam, que elas podem se vestir e se comportarem da forma que quiserem, mesmo que isso pareça esquisito a você.

Ser liberal é não ter a prepotência e arrogância de apontar o dedo para cada um e dizer como eles deveriam levar suas vidas, é não dizer o que é melhor ou pior para vida de cada indivíduo ou ter as soluções para todos os problemas do mundo. Ser liberal é presumir que cada indivíduo é livre para decidir o que é melhor para si mesmo. Se alguém deseja se tornar pintor, por exemplo, que esse indivíduo seja livre para tentar alcançar isso. Não cabe a ninguém impedir a vontade dessa pessoa ou ditar o que ela deveria ser, mesmo que isso seja feito com as melhores intenções do mundo. Se alguém quer fazer uso de substâncias nocivas ao corpo, que assim seja, não cabe a ninguém impedir o que outra pessoa deve ou não fazer com o próprio corpo. Se alguém deseja possuir uma arma para proteger sua família e seus bens, que assim seja, não cabe a ninguém tirar a capacidade do indivíduo de defender o que é seu da maneira que julga melhor. Ser liberal é defender que ninguém deve nada a ninguém e por isso todos são livres para buscar o que julgam como felicidade do jeito que quiserem.

Ser liberal é frear o poder que os políticos têm sobre a sociedade e dá-lo ao povo – ou como os liberais preferem dizer: ao indivíduo. É entender que a natureza da instituição “estado” é a coerção, ou seja, o uso da força física, e ser contrário a isso.  Ser liberal é ser contra a iniciação de agressão, contra a iniciação do uso da força física, não importa por quem. É defender a coexistência pacífica e uma punição justa aos infratores. Ser liberal é compreender que as instituições são fruto da ação humana descentralizada e não premeditada, da interação entre os indivíduos e não do planejamento central.

Ser liberal é entender que direito implica em dever. Então, se as pessoas têm o direito à vida, isso significa que elas têm o dever de não ferir ou retirar a vida alheia. Se as pessoas possuem o direito à propriedade, isso significa que elas têm o dever de não danificar ou roubar a propriedade alheia. É ter o olhar crítico sobre as constituições modernas, que dizem assegurar uma série de direitos, e refletir se esses direitos atingem os objetivos pretendidos, se eles realmente são bons e necessários para a vida em sociedade ou se eles mais atrapalham do que ajudam. É entender que cada indivíduo possui o direito à vida independentemente do que dizem as leis dos burocratas.

Ser liberal é ser a favor da vida.  É compreender que a dominação e a coerção destroem uma parte da existência do ser, é compreender que a essência do ser humano só pode se materializar através da liberdade. É saber que o homem só pode ser livre se for dono do próprio corpo e, consequentemente, dono de tudo aquilo que produz. Se você não pode ficar com tudo o que produz, logo você é um escravo. Se você não pode usufruir do próprio corpo da forma que deseja, você não é livre, o que significa que você não é dono de si mesmo, logo você é propriedade de alguém. É bom lembrar que liberdade é um conceito binário: ou você é livre ou não é. Não existe meia liberdade ou dois quintos de liberdade.

Ser liberal significa ser a favor da vida, da liberdade, da propriedade e (consequentemente) da busca da felicidade.

 

[i] O termo liberal nesse artigo é tratado de forma ampla. Há várias subvertentes liberais e consequentemente discrepâncias entre elas. Há vertentes que defendem estado mínimo, estado voluntário e outras que defendem o fim do estado. Há vertentes que defendem a legalização das drogas, a legalização do aborto, um estado ativo na educação e na saúde e outras que não. Há vertentes baseadas no jusnaturalismo, no jusracionalismo ou no utilitarismo.

The following two tabs change content below.
Colunista do Instituto Liberal de Minas Gerais. Graduando em Economia pela Universidade Federal de Juiz de Fora e coordenador local do Students For Liberty Brasil. Libertário entusiasta da Escola Austríaca de Economia e do Objetivismo de Ayn Rand.

Latest posts by Yuri Dornelas (see all)


Comente com o Facebook

Compartilhe:

contato@ilmg.org.br