2017 É o Ano Para Frear o Marxismo Cultural

marxismo cultural

Por:Instituto Liberal de Minas Gerais
Colunas

02

Jan 2017

2017 É O ANO PARA FREAR O MARXISMO CULTURAL

Nos últimos anos o movimento pró-liberdade no Brasil não para de crescer e você, com certeza, já deve ter visto pautas liberais nas últimas manifestações de rua que agitaram várias capitais do país.[1] Em sua grande maioria, essas pautas são voltadas para o conceito de liberdade econômica, fazendo com que esta questão, de certo modo, sobreponha uma das pautas liberais mais importantes da história: a liberdade individual.

É fato que liberdade econômica está fortemente atrelada à liberdade individual, afinal, quanto maior o poder econômico de um indivíduo, mais livre ele será para realizar suas vontades e desejos, contanto que respeite as liberdades daqueles que também são detentores deste poder.[2] Esta é, sem dúvida, uma das grandes contradições dos movimentos de esquerda que atuam dentro e fora de nosso país: defender as liberdades individuais e não compreender que ela somente é possível com liberdade econômica. Afinal, o fato de você poder ser e fazer o que quiser, não passará de uma ilusão caso haja uma dúzia de burocratas controlando a fonte material deste poder: a economia.

Enquanto políticos controlarem o setor produtivo, você nunca será o senhor de sua própria existência, tendo que enfrentar não apenas as circunstâncias adversas da vida, mas também os caprichos de políticos que se autodenominam a fonte da sabedoria humana e a esperança das reivindicações das massas, não importando quão absurdas elas possam ser. Sem dúvida precisamos de mais liberdade econômica. Precisamos sair daquela incômoda 122ª posição de no ranking da Heritage Foundation[3], atrás de “potências” como Quénia, Gâmbia, Mali e Tunísia, o que deveria nos envergonhar mais do que qualquer 7 a 1 no futebol.

Precisamos aprender mais com o Chile[4], a Estônia, a Irlanda e outros países que têm tido sucesso transformando suas realidades e se aproximando daquilo que se pode chamar de “mundo desenvolvido”. Mas como proceder? Como fazer com que isto se torne realidade? Será que basta abrir a economia e, tcharam, chegamos com tudo no baile dos campeões? Definitivamente, não.

marxismo cultural

Baixa tributação e espírito empreendedor, quem precisa do estado quando há liberdade para empreender? A constituição do Texas impede a criação do imposto de renda para pessoas físicas.

O que diferencia um texano de um grego? Você poderia pensar na diferença entre uma família trabalhando em uma fazenda, cuidando de gado e plantações, e uma família trabalhando em um restaurante, falando alto e servindo deliciosas comidas mediterrâneas cheias de azeite, queijos e frutos do mar. Apesar de tudo isto, a diferença fundamental dessas duas regiões não vem de suas vocações produtivas, e sim de algo que está além do trabalho manual, algo que habita o íntimo de cada cidadão: a cultura de liberdade.

De um lado temos uma potência econômica incansável onde o empreendedorismo não é só meio de sobrevivência, mas uma aspiração moral que deve ser protegida e preservada com as unhas e os dentes. Com uma história de glória e ascensão de uma região tropical de um lado e desértica do outro, o Texas se tornou o destino de milhares de trabalhadores qualificados e não qualificados do mundo inteiro ano após ano, com a previsão de dobrar sua população até 2050. O Texas simplesmente não para e isso não se deve à ação de políticos e nem exclusivamente às suas fontes de petróleo. Esta máquina de geração de riqueza e empregos é resultado de uma tradição de liberdade econômica e individual tão enraizada no estilo de vida da população que fica até difícil encontrar qualquer sintoma de declínio em sua estrutura.[5]

marxismo cultural

Partido Comunista Grego em manifestação de 2015: uma população com dificuldade de entender que “não existe almoço grátis”.

Por outro lado temos os gregos, herdeiros de uma cultura tão preciosa que muito nos faz lamentar a situação econômica que enfrentam neste momento. A Grécia poderia ter um filósofo como seu primeiro-ministro, como sugeriu Platão, mas nada adiantaria um governante sábio sem uma cultura que respondesse aos ditames da sabedoria. A política econômica grega é o reflexo da cultura de sua população que, assim como em grande parte dos países mediterrâneos e latino-americanos, quer muito ao mesmo tempo em que oferece pouco, direcionando suas aspirações à crença em um Estado positivista que corrigirá todas as imperfeições sociais e conduzirá a nação a um novo patamar de paz e estabilidade econômica. Mera ilusão. Colocar-se contra a ordem espontânea e depositar as esperanças no aparato estatal é o mesmo que abrir a porta para o declínio social, resultando no cerceamento das liberdades individuais e na destruição gradual de tudo que qualquer mente esclarecida consideraria saudável para o desenvolvimento de determinada região, independente de sua cultura, história ou posicionamento geopolítico.[6]

imagem55

Para transformar o Brasil em um país admirado, precisamos reformar também os indivíduos, trazendo-os à sua verdadeira essência, aquela que conduz ao desenvolvimento das artes, da ciência, da literatura e da economia. Precisamos reformar a cultura, mostrando porque a liberdade vale a pena e não faremos isso como Antonio Gramsci propôs, afinal, não somos donos de ninguém para impor nossos ideais a força, manipulando informações e destruindo aquilo que os seres humanos têm de melhor: a individualidade. Faremos isso apenas mostrando a verdade, exibindo a implacável lógica daquilo que funciona e daquilo que não funciona, transformando nossas ideias em algo que merece a confiança das pessoas e percebendo como que, aos poucos, o ideal da liberdade ocupará seu lugar no aparato estatal, representando a demanda que partirá das mais diversas regiões do país, desde a capital econômica São Paulo até as realidades mais longínquas de nosso território.

O marxismo cultural já deu o que tinha que dar. É hora de frear esta força que definha a possibilidade de um futuro melhor e tenta nos transformar naquilo que não somos, manipulando tudo e a todos em busca de um futuro ideal intangível, que na prática somente resulta em acúmulo de poder e privilégios para aqueles que têm a caneta das leis na mão.

Referências:

[1]http://politica.estadao.com.br/noticias/geral,manifestacoes-contra-dilma-levam-multidao-as-ruas-do-pais,1651418

[2]http://www.mises.org.br/Article.aspx?id=766

[3]http://www.heritage.org/index/ranking

[4]http://mercadopopular.org/2015/04/pinochet-e-o-liberalismo-liberdade-economica-e-politica-no-chile/

[5]https://americansforprosperity.org/in-texas-economic-freedom-produces-innovation-and-growth/

[6]https://www.theguardian.com/world/2015/jul/03/greece-overspending-defence-wages-taxation-economic-crisis


Léo Ferreira

foto-leonardo-ferreira

Estudante de Negócios Internacionais, criador da página Nordeste Livre e Economia com Julius Rock e coordenador do Clube Atlas Grupo de Estudos.

The following two tabs change content below.

Instituto Liberal de Minas Gerais

Latest posts by Instituto Liberal de Minas Gerais (see all)


Comente com o Facebook

Compartilhe:

contato@ilmg.org.br